23 julho, 2014

Quarta...

Elliv Nioj, nome da nossa cidade fictícia, significa mangue aterrado em manguenes, a língua oficial do Reino dos Manguezais, é uma cidade interessante, gosta de realizar obras sem planejamento ou sequer uma consulta ao calendário de eventos, sendo que quando ocorre um grande realiza alguma obra, deve ser para mostrar serviço, embora os que importem fiquem relegados a segundo plano.
Porém tudo tem um lado bom, embora ainda não tenhamos descoberto qual seja.
Deve fazer parte do tal choque de gestão,  que tanto propaga o nobre alcaide, algo do tipo: dexar os serviços péssimos,  sucatear os bens públicos,  desvalorizar os servidores,  para depois "arrumar" tudo. 
Embora não tenha aprendido isso na faculdade, deve ser aluma estratégia que desconheço. 

21 julho, 2014

Segunda...
 
A nossa cidade fictícia, a pérola do Reino dos Mangues Uivantes, está preparando um grande baile municipal, para isto está criando soluções mirabolantes para o deslocamento dos moradores, inclusive para os visitantes, convertendo ruas em mão única, única mesmo, sem se preocupar com a volta.
Porém o melhor de tudo é que estão deixando a cidade a meia-luz, não trocando lâmpadas  queimadas, uma maravilha, ótimo para namorar, assaltar, etc.
Aqui perto de casa tem uma curva em que um lado é um terreno enorme, uma bela mata, com as quatro lâmpadas dos postes sequenciais queimadas, uma escuridão, ótima para esconder-se na mata.
Melhor ainda está o atendimento no PA aqui do lado, não realiza curativo depois da 18 horas, mas não pensem que é descaso, deve ser para não estressar os profissionais de saúde que lá trabalham, afinal não deve ser função de um técnico de enfermagem realizar curativos. Além de gerar a economia tão almejada por nosso nobre alcaide, que com notamos, coloca a população em primeiro lugar.
Isto que é exemplo de gestão, 3 vivas para nosso grande alcaide.

19 julho, 2014

Sábado... 

Ontem, por volta das 19h meu pai (77 anos) foi assaltado e agredido no distrito de Pirabeiraba em Joinville/SC, dois rapazes o encurralaram e como não possuía nada de valor, destruíram seu celular e o agrediram.
Quando chegamos em casa fomos avisado que ele estava no PA Norte, para onde me encaminhei.
Lá presenciei o que podemos denominar de situação tragicômica, enquanto aguardávamos para a confecção dos curativos descobrimos haver outro paciente com o mesmo prenome de meu pai, que havia recebido a injeção de anti-inflamatório que seria destinada a ele, ou seja, erraram o paciente por chama-lo só pelo primeiro nome, em seguida veio a informação que nos deixou surpresos com um misto de revolta, fomos informados que após as 18 horas não realizavam mais curativos, para nos encaminharmos ao HMSJ ou voltarmos amanhã.
Alguém pode me explicar para que serve um PA (pronto atendimento) se um idoso, com uma ferida aberta, nem um curativo recebe?
Sorte que sou casado como uma enfermeira que pode realizá-los com a precisão necessária.
Assim está a segurança e a saúde joinvilense.

Assim caminha a mediocridade...

18 julho, 2014

Sexta...

Esta semana está sendo corrida,  que terminou com meu pai assaltado em Pirabeiraba. Amanhã desevolvo mais esta história.  Por enquanto fique com Deus e bom final de semana...

14 julho, 2014

Segunda...

Antes de desfrutar um breve período de recesso quero apresentar a todos um novo personagem da minha cidade fictícia, o defensor das causas impossíveis, fiel escudeiro no nobre alcaide, que merece elogios, pois, tirando os iludidos de um certo ParTido, é de um lealdade ímpar.
Com vocês o Chapolin dos Mangues, desculpem os traços, faz mais de 30 anos que não desenho.

11 julho, 2014

Sexta...

Amanhã depois de uma apresentação "brilhante" contra a Alemanha enfrentaremos a Holanda, sendo assim,  deixemos a melancolia de lado e apreciemos esta receita típica dos nossos nobres adversários.

Stamppot
Ingredientes:
5 batatas grandes
6 folhas grandes de couve
Sal
1 linguiça tipo alemã (salsichão)
50 g de bacon picadinho
100 ml de leite
25 g de manteiga
Preparo:
Lave as folhas de couve corte em fatias finas.
Aqueça um frigideira, frite o bacon, acrescente a couve e refogue, acerte o sal, desligue e reserve.
Descasque as batatas e cozinhe cerca de meia hora ou até o ponto de purê, escorra e amasse bem.
Aqueça uma panela em fogo médio, acrescente a manteiga e deixe derreter, acrescente as batatas, a couve e o bacon, coloque o leite e cozinhe cerca de 5 minutos, misturando bem até incorporar tudo.
Corte a linguiça em rodelas e ferva por cerca de meia hora escorra e monte seu prato.
Coloque uma porção da mistura de batata e couve e enfeite com a linguiça.
Sirva em seguida.

Bom final de semana.

09 julho, 2014

Quarta...

Depois do jogo de ontem fico com a poesia do Drummond que está ”rodando” pela internet.

Foi-se a Copa? - Carlos Drummond de Andrade

Foi-se a Copa? Não faz mal.
Adeus chutes e sistemas.
A gente pode, afinal,
cuidar de nossos problemas.

Faltou inflação de pontos?
Perdura a inflação de fato.
Deixaremos de ser tontos
se chutarmos no alvo exato.

O povo, noutro torneio,
havendo tenacidade,
ganhará, rijo, e de cheio,
A Copa da Liberdade.

E como “tuitei” ontem, “deu PT na seleção brasileira.”
PT = perda total, pensaram besteira, “né”?

08 julho, 2014

Terça...

Chegou a vez da Alemanha, esta é uma receita tradicional que não é muito divulgada no Brasil, saborosa e fácil.

Bisteca de porco ao molho zimbro
Ingredientes:
4 bistecas de porco
Sal
Pimenta-do-reino
Farinha de trigo para empanar
2 colheres de sopa de manteiga
1 cálice de conhaque
750 ml de creme de leite fresco
20 g de zimbro moído
1 colher de sopa de suco de limão
Preparo:
Tempere as bistecas com o sal e a pimenta, e passe-as na farinha.
Esquente a manteiga em uma frigideira e doure as bistecas por 5 minutos de cada lado.
Retire-as, disponha-as em uma travessa e reserve em local aquecido.
Na mesma frigideira em que as bistecas foram fritas, flambe com o conhaque.
Quando a chama apagar, acrescente o creme de leite, o zimbro e o suco de limão. Reduza em fogo baixo, até que o molho fique cremoso. Acerte o sal e regue as bistecas com o molho.
Sirva com arroz branco e/ou purê de aipim (mandioca)
Experimente com um vinho tinto elaborado com uvas Syrah e Grenache.