23 março, 2017

Sarcasmo...

Quinta...

Eis um bom exemplo do sarcasmo que o politicamente correto tanto odeia.



22 março, 2017

Pingos sem is....

Quarta...

Dois assuntos dominam as notícias, na nossa humilde opinião tomaram proporções dantescas.

O primeiro a histeria com a carne e seus subprodutos, são apenas 21 frigoríficos envolvidos, todos que utilizam o CIF, ou seja, o certificado que permite e circulação nacional.
Grande parte das carnes vendidas no país é distribuída por frigoríficos locais, no caso de Santa Catarina com gado, frango, porco, etc., produzidos no próprio estado, que possui um controle sério e exigente.
Em caso de desconfiança quanto às carnes embaladas, compre as “in natura”, no açougue, simples assim.

Outra questão que está causando burburinho é a da exclusão da PEC da aposentadoria dos servidores municipais e estaduais, o que está correto, pois não fere a autonomia (que é pouca) dos mesmos.
Deixando assim que cada um cuide da sua “casa” e assuma o ônus ou bônus, porém nos parece óbvio que seguirão o que for decidido nacionalmente, em alguns casos piorando, como já estamos vendo por ai em alguns estados falidos.

Já no pingo sobre Joinville deixo um pergunta para a PMJ:
Até quando deixaram a Rua Jerônimo Coelho neste estado de pós-guerra?
Até acontecer um acidente grave? Ou “choverem” processos para ressarcir danos aos veículos?


Assim caminha a mediocridade...

21 março, 2017

Balela...

Terça...


Lendo algumas notas no jornal notei que nosso atual prefeito partiu para o famoso “se não posso os derrotar uno-me a eles”.

Vamos aos fatos, todos sabemos do “ódio” que o IPPUJ tem difundir entre a população ao grande vilão do trânsito, o carro. Pois bem, nosso atual administrador foi picado por este dogma.

Isto significa que apoia a ideia de alijar os automóveis, ou seja, que usemos o transporte coletivo, que no caso local é privado, o que, no fundo, seria bom.
Por que seria?
Porque primeiro ele teria que existir, o que existe hoje não passa de um arremedo; já cansei de escrever, ônibus é transporte ultrapassado, poluente, de lotação baixa, desconfortável e de alto custo/benefício para o usuário.

Tudo esta “balela” sobre promover o uso do transporte coletivo de qualidade duvidosa vem da incapacidade de pensar seriamente em mobilidade urbana, isto demanda investimentos em avenidas, rótulas inteligentes, elevados (palavrão para eles), ciclovias seguras, canaletas exclusivas (literalmente) para o transporte coletivo, calçadas descentes e que privilegiem a acessibilidade.

Experimentem passear pelo centro da cidade, está péssimo para todos os modais (palavra que eles adoram), a desculpa oficial são as obras para controle das enchentes, cujo prazo de entrega é “sine die”, que quando as obras findarem tudo voltará ao normal.
Colóquio sonolento para gado bovino repousar.


Assim caminha a mediocridade...

20 março, 2017

Elliv Nioj

Segunda...

Acordamos, tomamos um belo café da manhã, um pouco forte é verdade, nos arrumamos e partimos para trabalhar.

Apesar de chuva que encharca o feudo, o trânsito flui bem, os sinaleiros sincronizados auxiliam este fluxo, as vias "lisas", sem buracos também.

Notamos que a destreza e a cordialidade dos condutores, e o respeito às regras básicas de deslocamento, como veículos lentos permanecem na faixa da direita, ciclistas não circulam na contramão, nem furam sinal.
Ou seja, apesar da chuva, tudo segue normal.

De repente uma música começa a tocar, é o rádio relógio que avisa que está na hora de acordar...

Ops. Tudo não passou de um sonho, bem distante da realidade de Elliv Nioj.

Em tempo, o sonho realizou-se até a parte do “partimos para trabalhar”.


Assim caminha a mediocridade...

Obs.: Esta é uma obra de ficção, qualquer semelhança com a vida real será mera coincidência, ou não.

17 março, 2017

Sexta...

Hoje temos um belo exemplo de receita rápida que impressiona e muito gostosa, porém demanda dois cuidados.
Usar o creme de leite fresco (mantém a leveza) e servir imediatamente (não deixar esfriar, não guardar, pois não fica bom no dia seguinte).

Tagliatelle com creme de açafrão e abobrinha
Ingredientes:
500 g de tagliatelle
250 ml de creme de leite fresco
50 g de manteiga
1 cebola média bem picada
1 colherinha de  açafrão em pó
2 abobrinhas tenras cortada à julienne
Sal e pimenta-do-reino branca moída a gosto
Queijo parmesão ralado na hora a gosto
Preparo:
Cozinhe a massa em abundante água fervendo até o tempo de cozimento indicado na embalagem.
Enquanto a massa cozinha derreta a manteiga numa frigideira grande, que a comporte quando estiver cozida.
Acrescente a cebola e refogue até ficar transparente.
Adicione as abobrinhas e refogue rapidamente.
Tempere com sal e pimenta.
Junte o creme de leite, o açafrão, mexa bem e abaixe o fogo.
Deixe reduzir, cozinhando e mexendo, por três ou quatro minutos.
Escorra a massa quando estiver cozida e despeje (com cuidado) aos poucos na frigideira com o molho, misturando para envolver completamente a massa no molho.
Acondicione em uma bela travessa, polvilhe queijo ralado e sirva.
Serve 4 pessoas.

Bom final de semana.

15 março, 2017

Pingos sem is...

Quarta...

A palavra da semana é desfaçatez (Inexistência ou escassez de vergonha; desaforo, impertinência ou descaramento; cinismo, cara-de-pau).

Ainda estamos no meio da semana, porém ontem fomos brindados com um show de mentiras, vitimíssimos, tentativas torpe de enganar a sociedade, ou o grande chefe da quadrilha pensa que ainda engana alguém?

Tudo bem que existam os cegos funcionais, pois perdurarão por séculos, vide os adoradores de ex-ditadores, sejam de esquerda ou de direita, mas isto nos lhes dá o direito de ofender que apoia a verdade, ou a apuração da mesma.

O cidadão em questão vive há mais de trinta anos sem trabalhar, como dinheiro não cai do céu, não nasce em árvore, não brota do chão, seria de bom tom explicar a origem de tal fortuna, a real, não a “balela” de empréstimo e/ou doações dos amigos, desculpa só aceita pelos incautos.

Enquanto isso a sua discípula passeia pelo mundo divulgando o seu brilhante pensamento lógico e sua versatilidade linguística.


Assim caminha a mediocridade...

13 março, 2017

Elliv Nioj

Segunda...

A máxima de que nada está tão ruim que não possa piorar é Elliv Nioj é confirmada de maneira “sine qua non” pela atual administração da alcadia, senão, vejamos.

Estão superando-se, agora querem inverter o sentido do primeiro binário, criado nos idos de 1874, uma ideia que surgiu após a sugestão de um aldeão.
Parece-nos que ela prospera para poder justificar outro erro crasso, o do novo binário da região norte, quando inverteram o sentido original do projeto, pois assim criaram mais um ponto e engarrafamento ao final dos binários, fator primordial para a criação dos mesmos, terminar em situações de conflito de tráfego.
Inclusive o alcaide adorou a ideia, dizendo ser de fácil implantação, mostrando total desconhecimento do fluxo vário  feudo que administra.

São mestres a “bagunçar” o trânsito, temos até uma avenida com um lado todo bloqueado para carroças em nome de tal transporte público pífio e ineficaz.

Justamente a avenida que faria parte de um “eixão” para ligar as zonas norte e sul, projeto de 12 anos atrás rasgado ignorado pelas administrações seguintes e pelo IPPUE, pois possuía vários elevados, algo repudiado pela equipe que domina este instituto.
Ou seja, querem piorar ainda mais a mobilidade do feudo.

Assim caminha a mediocridade...

PS: Ainda bem que isto é uma obra de ficção se real fosse esta cidade estaria em vias de colapso.

10 março, 2017

Sexta...

Reeditamos uma receita de 2010, ou melhor, repaginamos.

Sanduda do Pimenta
Ingredientes:
400 g de miolo de alcatra picado
50 g de bacon picado
100 g de linguiça Blumenau defumada
1 cebola fatiada
1 tomate picado
Queijo cheddar fatiado
Molho inglês
Sal
Molho de pimenta vermelha
Pães de hambúrguer
Preparo:
Tire a “pele” da linguiça e a “desmonte” com um grafo.
Em uma frigideira antiaderente, frite o bacon, quando começar a soltar a gordura acrescente a linguiça, a alcatra, frite por 10 min e acrescente cebola.
Refogue até a cebola ficar transparente.
Adicione uma colher de molho inglês, o tomate, tempere com sal e pimenta e refogue por mais 5 min.
Abra o pão, pegue a metade inferior e coloque uma fatia de alface, em seguida o refogado (quente) e uma fatia de queijo sobre tudo.
Cubra outra metade do pão e divirta-se.

*Podes trocar por prato, muçarela,  gouda, etc.; o a foto é prato.


Bom final de semana.

09 março, 2017

Reciprocidade...

Quinta...

Como pau que bate em Chico bate em Francisco...















Parabéns Joinville - 166 anos (apenas)