31 outubro, 2014

Sexta...

Como o “ovo” venceu a eleição contra a “carne”, a receita de hoje é com o resultado dele, o frango.

Frango aromático
Ingredientes:
1 kg de sobrecoxas de frango
Pimenta verde em grãos
Pimenta rosa em grãos
1 dente de alho amassado
Suco de um Limão
Gergelim
Ervas aromáticas
Sal
Azeite extra virgem
Preparo:
Prepare um mix de sal, ervas aromáticas (alecrim, estragão e tomilho fresco), limão, alho e azeite. Misture bem.
Tempere o frango com este mix.
Deixe marinando por pelo menos 20 minutos. 
Em um pilão esmague bem as pimentas e depois as misture ao gergelim. 
Empane o frango com esse preparado.
Coloque em um pirex e leve para assar em forno médio (180ºC) com um pouco de azeite por meia hora, nos últimos dez minutos aumente a temperatura (220ºC) para criar uma crosta crocante!
Retire do forno e sirva.


Bom final de semana.

29 outubro, 2014

Quarta...

Hoje, conversaremos sobre eleições, muitas criticas estão surgindo sobre nosso atual sistema, que, como qualquer outro, não é 100% seguro, até porque não existe segurança prefeita quando envolve seres humanos, porém não é desprezível como alguns querem demonstrar.
Voltemos no tempo, voto desde 1982 sendo que nas eleições de 1986 e 88 atuei
como fiscal de partido na apuração.
Votávamos em cédulas de papel, onde escrevíamos o nome ou o número do candidato, dobrávamos e depositávamos em uma urna lacrada.
Como hoje, encerrada a votação as urnas eram deslocadas para o local de apuração, se chegassem violadas eram descartadas, portanto, se alguém quisesse invalidar a urna era só romper o lacre.
As que eram aprovadas eram abertas e os votos depositados sobre uma mesa, onde eram abertos e empilhados, depois apurados por cargo, na sequência de votação, ex.: Governador, Senador, Deputado Federal, Deputado Estadual, não, não votávamos para presidente.
Seu um voto estivesse riscado ou ilegível era descartado, aí começava a bagunça, dependendo quem contava aquele voto, induzia o voto,
Em uma destas eleições o deputado A estava eleito e o B não, como a cidade ficaria em desvantagem na câmara estadual todos concordaram que os votos do deputado A iriam, a partir daquele momento, para o deputado B, que acabou eleito, entre muitas outras “tramoias” possíveis na época.
Sem esquecermos a demora na apuração, que cansava, estressava propiciando o erro.

Assim sendo, o método atual pode não ser o método eficiente, ou imune a falhas, mas é eficaz, sendo que pode e deve ser melhorado, cabendo a nós cobrar esta melhora. Ou não?

28 outubro, 2014

Terça...

Não sou fã de teorias da conspiração, muito menos de procurar “pelo em ovo”, passada a eleição é o que mais vemos circulando pelos meandros da internet, creio que a análise deve ser bem mais profunda e cabe aos cientistas políticos fazê-la .
Porém nada impede de externarmos nossa visão do ocorrido.
Parece-nos óbvio que o assistencialismo tem influência, insuflado pelo próprio partido, “o pai do povo”, “a mãe do PAC”, "o governo dos necessitados", entre outras utopias ufanistas.
Assim como a falta de investimento em infraestrutura e em educação básica, desta forma freia-se o desenvolvimento de uma região, tornando o morador local cada vez mais dependente deste assistencialismo, mantendo a promessa de melhorá-lo e de um dia trazer o “progresso” a tal região.
Na entrevista de ontem a Presidente trilhou pelo mesmo caminho, quando perguntada sobre política econômica enrolou, sobre reforma tributária idem, falou em união, em diálogo, etc.
Respostas urgentes devem ser dadas, o país anseia por mudanças, não há mais tempo para experiências, pois a falta de investimento pode levar a um colapso  mercadológico.
Quando afirmou que no mês vindouro anunciará a reforma econômica demonstrou não ter resposta imediata apesar dos 4 anos de governo, outro ponto, anunciar medidas econômicas com o atual Ministro da fazenda ou com o próximo? Foi afirmado na campanha que o atual sairá, sairá mesmo?
Ou seja, mais do mesmo.
Desculpem, mas não tem como ser otimista, não nos inspira confiança, porém como diz ela, “o povo me elegeu” e como diz a sabedoria popular “a voz do povo é a voz de Deus”...

Então seja o que Deus quiser.

27 outubro, 2014

Segunda...

Embora não seja especialista nisto, tentarei explicar o que nosso nobre alcaide chama de “judicialização”, aquilo que segundo ele trava a sua gestão e Elliv Nioj.
A culpa é das famosas licitações, que segundo nosso amigo Google é o procedimento administrativo formal para contratação de serviços ou aquisição de produtos pelos entes da Administração Pública direta ou indireta, regido pelas leis 8.666/93 e 10.520/02.
São leis com normas rígidas, que inclusive permitem a qualquer participante contestar judicialmente o resultado, tudo para evitar, mesmo que utopicamente, a corrupção.
Corrupção que foi instituída como oficial pelo resultado da eleição para Rei, como fato corriqueiro e impune.
Desta forma, mesmo que muito bem elaborada, a licitação pode ser contestada, cabendo a um juiz decidir se a contestação é válida ou não, como a maioria não é bem elaborada abrem-se muitas brechas para as contestações, tornando a contratação de obras, serviços de manutenção, etc., uma novela mexicana.
Como sugestão; não sei se é viável; realizar o descarte das empresas que não cumprem o solicitado no momento da inscrição, similar a uma matrícula universitária, não apresentou os documentos necessários no tempo previsto está automaticamente desqualificado, justificando por escrito o motivo desta.
Não evitará as ações, porém tornará a defesa mais fácil, ou não?

Assim caminha a mediocridade...

24 outubro, 2014

Sexta...

Continuamos na linha da cozinha fácil, a de hoje é com uma carne que é bem versátil, a maminha de alcatra.

Maminha Assada com manteiga de Mostarda
Ingredientes: 
1 kg de maminha
3 colheres de sopa de manteiga
5 colheres de sopa de mostarda escura 
Pimenta do reino moída a gosto
Sal grosso a gosto
Preparo: 
Misture a manteiga em temperatura ambiente com a mostarda e forme um creme.
Besunte toda a peça de carne com esta mistura e depois polvilhe com sal grosso e pimenta.
Forre uma assadeira com papel alumínio deixando sobrar para cobrir a carne.
Coloque carne sobre o papel com a parte da gordura voltada para baixo e cubra com a outra parte do papel.
Leve ao forno pré-aquecido em temperatura alta (250ºC) por 30 minutos.
Retire do forno, descubra a carne e regue com o caldo que se formou na assadeira.
Retorne, agora com temperatura média (180ºC) e deixe por mais 30 minutos.
Acompanhe o cozimento, desligue quando a carne estiver dourada e o caldo mais encorpado.
Sirva fatiada.


Bom final de semana.

22 outubro, 2014

Quarta...

Estes dias li um ótimo artigo sobre o uso de clichês como respostas às perguntas polêmicas, o que demonstra, ao menos para mim, que quem responde não tem a menor noção do que está falando, só digita pérolas decoradas.
Escrevo isto para chegar a outro ponto, inclusive já escrevi sobre ele, a falta de educação de alguns incautos usuários da internet, se não concordamos com as opiniões deles a única arma que possuem para continuar a conversa é a ofensa, quer ver se forem simpatizantes daquele partido que está há 12 anos usurpando e delapidando o país.
Como não conseguem defender, atacam, glorificando e negando os “mal feitos” (como diz a Presidente), inclusive os que já foram provados, julgados e condenados.
Incluo esta turma no rol da do primeiro parágrafo, aqueles que não sabem o que dizem, baseiam-se em informações inverídicas e defendem o indefensável.

Com sorte e competência, no dia 1º de janeiro vindouro, esta “turma” (para não ser mal-educado) estará deixando o país, muitos rumo a uma bela e confortável prisão.

21 outubro, 2014

Terça...

A área de pesquisa de opinião em estatística é uma ciência interessante, se bem usada mostra a realidade, ou seja, cerca de 2000 pessoas podem representar a opinião de um país como o nosso, porém tem um detalhe, este universo (usando o termo estatístico) deve ser muito bem definido, as perguntas muito bem elaboradas e os dados tabulados com toda honestidade.
Creio que quando se trata de opiniões sobre algum hábito, gosto, etc., é mais confiável, até porque o cliente precisa que assim seja.
Já quanto as pesquisa políticas tenho muitas dúvidas, explico, assim como a pesquisa pode ser extremamente confiável, poder manipulável pró candidato A ou B, muitos fatores podem ser alterados em favor do candidato, inclusive induzindo-se a resposta.
Confesso que gostaria de acreditar nas pesquisas atuais, mas devido aos grandes equívocos apresentados em eleições anteriores, coincidências ou não, a favor dos candidatos governistas, levam-me a pensar ao contrário.
Sendo assim, não baseio meus votos em pesquisas eleitorais, pesquiso sobre seu passado, seu presente, a qual partido pertence, ai sim, defino meu voto.

Baseado nestes critérios escolhi o Aécio, simples assim.


20 outubro, 2014

Segunda...

O trânsito em Elliv Nioj é um caso a parte, como o feudo foi construído “a facão”, até hoje a palavra planejamento não faz parte do dicionário dos órgãos administradores feudais.
Não bastando as inúmeras engenhosidades viárias, a insistência em incentivar a utilização do transporte público que beira a inexistência, que além de ultrapassado é caríssimo, onde nem de longe justifica a relação custo/benefício, surge, agora, uma pérola dos nobres Edis, criar uma faixa exclusiva para motociclos, é incrível a criatividade, só aqui mesmo.
Imaginem; uma rua de 16m de largura, canaleta para ônibus devem ter largura entre 3,25 e 3,50 m, a ciclofaixa utiliza em média 1,5 m, supondo que a moto faixa utilize 2 m, sobram 9 m de pista de rolagem, 4,5 m para cada pista, sem área de estacionamento, como a maioria das ruas do feudo possuem 12 m, imaginem a encrenca.
Mas, pelo menos desta vez parece que o IPPE (Instituto de Pesquisa e Planejamento de Elliv Nioj) é totalmente contra esta sandice.

Assim caminha a mediocridade...