25 março, 2015

Quarta...

Hoje o assunto é educação, ontem o senado rejeitou a PEC que estendia o para o Ensino Médio da rede particular de ensino, vi que várias pessoas comemoraram, deve pensar que o ensino no país vive em um mundo ideal.
Basear-me-ei no Ensino Médio local, porém creio não ser diferente nos demais estados.
Por constituição o Ensino Básico público fica a cargo do poder municipal e o Ensino Médio do poder estadual, o Básico municipal aqui em Joinville vai muito bem, inclusive é exemplo nacional, claro que não é perfeito, até porque nenhum o é, mas o Médio estadual é precário, ainda mais agora com as tais cotas, que literalmente nivelam por baixo.
Sem assim, muitos procuram as escolas particulares, buscam bolsa de estudo, descontos comerciais, com as escolas não podem aceitar, ou melhor, ajudar a todos, poucos são beneficiados.
A ampliação do FIES traria um aumento de oportunidade de um ensino de qualidade para estes alunos, o que diminuiria a necessidade de cotas, claro que por serem menores de idade os pais e ou responsáveis assumiriam o financiamento.

Lógico que seria uma solução paliativa, pois o correto é investir na melhora dos três níveis do ensino público, o que, no momento, é utopia na tal Pátria Educadora, uma boa ideia que não sairá do papel, aliás, mais uma.

24 março, 2015

Terça...

Já escrevi sobre isso, mas não custa voltar ao tema, já que a solução não aparece, nem está perto de aparecer.
Li no jornal (sim, leio jornal de papel) que Joinville tem empregos, de certa forma, sobrando, do outro lado da equação vemos o desemprego aumentar, ou seja, há algo errado nesta equação, que não é exclusividade de Joinville.
Sabemos que os mais jovens (geração y), com raras exceções, não estão dispostos a assumir funções de baixo padrão, preferem o serviço de “escritório”, ou do comércio, o que é direito deles.
Porém ai que a equação desanda, além do Ensino Médio, a maioria dos cargos pedem algo mais, que só vem com o estudo, seja comercial ou técnico, traduzindo, a preparação para o mercado de trabalho.
Por exemplo, conhecimento em informática básica tornou-se essencial, e não é saber usar facebook e afins, se for trabalhar com vendas, conhecimento de técnicas e vendas e relações humanas ajudam muito, e assim por diante.
O Governo Federal criou o PRONATEC, que, admitamos, é um bom programa, visando diminuir este “vácuo”’, que precisa ser ampliado e de algumas mudanças, pois cada cidade tem sua característica de necessidade de mão de obra, assim os cursos locais devem ser voltados para estas necessidades, de nada adianta curso técnico de mecânica e um mercado tipicamente fabril, ou de química em um mercado metal-mecânico.

São pequenos ajustes, fáceis de fazer, mas precisa vontade e comprometimento, deixando de lado a politicagem. Mas ia fica difícil...

23 março, 2015

Segunda...

Elliv Nioj tem uma característica interessante, que parece estar esquecida por todos, pois a maioria das soluções propostas para prevenção de enchentes e alagamentos não contemplam o avanço do mar.
O feudo foi construído, basicamente, em áreas alagadas de manguezais, tendo grande parta central aterrada, originalmente aquelas áreas estavam 4 m abaixo do nível do mar, sendo recortada por rios e afluentes, o que deixa a área propicia às variações da maré.
Lembro que na época da adolescência ficávamos sentados nos degraus de escada de entrada da casa de um amigo observando a água do mar subindo pelos bueiros, trazendo, além da salinidade o cheiro “agradável do rio Cataratas”, que se repararem, em determinadas horas do dia, corre do mar para terra e não da terra para o mar.
Pior é quando coincide alto índice pluviométrico com a maré alta, além de não haver fluidez devido à maré, o isolamento do solo ajuda na retenção da água, resultando em alagamentos com certa salinidade na água, nossa saúde e as latarias dos automóveis agradecem.
Portanto, torna-se urgente a dragagem do rio Cataratas, o assoreamento passa dos 10 m, creio que isto ajudaria muita mais que os milhões gastos em “piscinões” subterrâneos, que, aliás, fazem parte das inúmeras obras paradas e/ou inacabadas no feudo.

Assim caminha a mediocridade...

20 março, 2015

Sexta...

Sabem o bom e velho bolinho de carne, quando vestido a caráter é chamado de almôndega, sendo assim, hoje temos uma maneira de deixa-lo, como dizia minha avó, garboso.

Almôndegas com bacon e legumes salteados
Ingredientes:
750 g de carne de moída de 1ª
150 g de bacon fatiado
1 cebola picada
2 gemas
60 g de manteiga
4 batatas
4 cenouras
100 g de ervilhas
3 dentes de alho picados
100 ml de vinho branco seco
1 raminho de orégano
Sal e pimenta
Preparo:
Tempere a carne, acrescente as gemas e a cebola picada; misture bem.
Depois de bem misturado, molde bolas e rodeie cada uma com uma fatia de bacon, prenda com palitos e reserve.
Descasque e corte as cenouras em rodelas, descasque as batatas e corte-as em cubos, coloque em uma panela, cobrindo com água e cozinhe até ficar ao dente, escorra, acrescente as ervilhas e reserve.
Em uma frigideira alta em fogo médio, derreta a 40 g manteiga, acrescente um dente de alho picado e frite as almôndegas; deixe-as corar lentamente.
Junte o orégano, os legumes e o vinho branco, cozinhe lentamente.
No final retifique os temperos e reserve.
O restante alho refogue na manteiga restante.
Sirva salpicando o alho restante por cima.


Bom final de semana.

19 março, 2015

Quinta...

Como diz um velho ditado: "Quando a esmola é demais o santo desconfia."


18 março, 2015

Quarta...

Hoje o assunto é saúde local, ou falta dela,  mais especificamente na zona norte de Joinville.
Vou considerar como descaso, não como abandono, ainda, explico.
O Pronto Atendimento (PA Norte), que não possuía ortopedista nem pediatra, evoluiu, está fechado para reforma, o Posto de Saúde da rua Almirante Jaceguai, fechado em reforma, que deveria ter ficado pronta em Junho/14, sobra o Posto de Saúde recém inaugurado no Parque Douat, ou melhor sobraria, pois só tem um médico atendendo, consulta só para setembro.
Traduzindo, um erro crasso de gestão de pessoas, no mínimo.
Não basta usarem a ótica errada de medicina curativa, no lugar da preventiva, nem a curativa está disponível.

Este é o maravilhoso choque de gestão prometido na campanha, será que adianta dizer; eu avisei.

17 março, 2015

Terça...

Depois destes belos protestos, que foram exemplo e deram lição de cidadania, que certamente acenderam a luz amarela no governo, amarela sim, pois ele não entendeu bem o espírito da coisa, ou assimilou o golpe e se faz desentendido, fica uma lição.
O País precisa de mudanças urgentes, a mais importante delas, não a reforma política (que feita pelo congresso não deve ser lá grande coisa), nem a fiscal, precisa da reforma moral.
Isto significa mudar o paradigma do “tenho que levar vantagem em tudo”, de fura a fila ou o sinal de trânsito e criticar a corrupção, de sonegar impostos e cobrar mais saúde, educação, etc.
A reforma do Brasil começa na nossa própria casa, sim, pela casa, comecemos pela casa, passamos para o vizinho, para a quadra, para o bairro, cidade, estado, país.

É difícil? Sim, quase utópico, mas necessário, simples assim.

16 março, 2015

Segunda...

Hoje quero deixar uma sugestão para a equipe de planejamento de Elliv Nioj, já que viadutos, elevados, etc., são palavrões, seria bom que visitassem Maringá no Paraná, verifiquem (pode ser pelo google maps) como são as rotatórias de lá, apelidadas de redondos.
Irão argumentar, mas lá a cidade nasceu planejada, estarão certos, porém não precisa ser igual, apenas assimilar a ideia, adaptar a realidade, acabar com estes “trevos” que mais parecem um “balaio de gatos”, causadores de acidentes, até por falta de sinalização.
Sei que aqui, no Reino dos Manguezais, não são afeitos a mudanças, preferem a mesmice do século 19.
Porém não custa tentar, vai que um dia aceitam alguma ideia que não venha da sua turma.

E assim caminha a mediocridade...

13 março, 2015

Sexta...

A receita de hoje é inspirada no almoço de terça, claro que simplifiquei, ou melhor, deixei-a mais prática, sem esquecer o sabor, afinal, o simples também pode ser muito gostoso.

Rondelli de ricota e bacon com molho branco
Ingredientes:
1 pacote de massa fresca para lasanha (500 g)
100 g de queijo mussarela ralado
500 g de ricota amassada
300 g de bacon em cubos frito
½ xícara de chá de cheiro-verde picado
2 colheres de sopa de manteiga
1 colher de sopa (13 g) de farinha de trigo
300 ml de leite
Sal
Noz-moscada ralada a gosto
250 ml de creme de leite
Preparo:
Para o recheio, em uma tigela, misture a ricota, o bacon, o cheiro-verde e sal.
Espalhe sobre as massas e enrole como rocamboles.
Corte em fatias de 3 cm e coloque, lado a lado, em um refratário médio. Reserve.
Para o molho, em uma panela, em fogo médio, derreta a manteiga, adicione a farinha de trigo e frite por 2 minutos, mexendo sempre.
Adicione o leite, aos poucos, mexendo sempre, até engrossar.
Tempere com sal, noz-moscada, adicione o creme de leite, misture e desligue o fogo.
Cubra os rondellis com o molho, polvilhe com a mussarela e leve ao forno médio (180ºC), preaquecido, por cerca de 30 minutos ou até dourar. 
Obs.: Usei massa pronta, quem quiser pode se divertir fazendo massa, acrescentando espinafre, etc.

Bom final de semana.